segunda-feira, 26 de julho de 2010

COMEÇOU A CAMPANHA DO MCDIA FELIZ!!!

COMEÇOU A CAMPANHA DO MCDIA FELIZ!!!
por Merlânio Maia


A Pediatria do Hospital Napoleão Laureano em João Pessoa/PB necessita de uma enfermaria humanizada com apartamentos individuais, com banheiro individualizado para as crianças e as mães e os recursos de que precisamos serão conseguidos neste MCDIA FELIZ.


Será construído espaço de internação humanizada para vinte e cinco pacientes com suas respectivas mães/responsáveis.


A partir de agora estamos visitando empresas parceiras e firmando novas parcerias para que o MCDIA FELIZ seja um SUCESSO TOTAL.


Solicitamos o empenho de toda a Sociedade Paraibana para que na força da União possamos ajudar o combate ao câncer infanto-juvenil.


Compre seu Ticket e convide seus amigos para este importante evento de socorro às crianças e jovens portadores de câncer!


Vamos à Luta!!!


A CRIANÇA PORTADORA DE CÂNCER PRECISA DO SEU APOIO!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

MÚSICA E POESIA NO LEITO DO HOSPITAL


MÚSICA E POESIA NO LEITO DO HOSPITAL

         Para viver, Merlânio Maia vende planos de saúde. Mas, em suas horas vagas, prefere levar sua arte para quem quase não tem saúde. Músico e poeta popular, preservador da culturamatuta”, este espírita, formado em Filosofia encanta, com poesia e violão, os pacientes do Hospital Napoleão Laureano, a mais importante Instituição para tratamento do câncer na Paraíba.

         - Eles vêm de sítios e fazendas do interior, na maior parte das vezes com câncer de pele adquirido no trabalho de sol a sol. Ficam semanas, às vezes meses. Sou sertanejo, vivi a seca, conheço bem o problema desse pessoal. A gente tenta ter um papo aberto, conversar sobre todas as dificuldades da vida deles, que são pessoas carentes em todos os sentidos – afirmou o poeta nascido em Itaporanga, alto sertão paraibano.

Toda segunda-feira à tarde, Merlânio pega seu chapéu colorido, o violão e os livros de cordel e parte para o hospital, um dos maiores de João Pessoa. A expectativa por sua chegada é grande. Durante a semana, os doentes vão colecionando poesias para serem declamadas ou musicadas na hora pelo artista.

         Um jovem uma vez me disse que o melhor dia da semana, para ele, era a segundafeira, quando a música e a poesia chegavam ao hospital – disse o filósofo.

         Uma das maiores emoções de Merlânio foi ver um homem idoso pegar seu violão e, com aqueles dedos calejados e encarquilhados, bater nas cordas com a dificuldade de quem não tocava há algumas décadas.

         - Ele disse que havia tocado violão quando era rapaz. Ainda sabia solar algumas melodias. Ficou numa alegria muito grande por ter tocado violão tanto tempo depois. É muito gratificante ver que nosso trabalho melhora a qualidade de vida de alguém – disse o artista.

         Merlânio, segundo suas próprias palavras, “trabalha o lado lúdico da arte”. A partir das poesias e das músicas – num esforço acompanhado também por psicólogos -, ele conversa com os enfermos sobre suas angústias e problemas, sobre a doença e as dificuldades da vida no hospital.

         Lembra-se de uma vez em que conversava com um grupo de pacientes sobre a importância do ato de perdoar, de não guardar rancor.

         - Uma senhora, com idade avançada, disse que não perdoava determinado desafeto que, numa certa ocasião, tinha batido na filha dela. Daí eu disse a ela que, com a raiva, a gente acaba guardando muita coisa ruim, muita coisa que a gente deveria jogar fora. Ela nada falou. Apenas começou a chorar. Então sem uma palavra, veio até mim e me deu um abraço. São momentos de alegria muito grande – afirmou.

         Buscar nessas pequenas recompensas, o estímulo para dar continuidade a seu trabalho é um dos trunfos que Merlânio Maia guarda para vencer as dificuldades de ser um artista voluntário em um hospital especializado em oncologia. Uma das maiores, diz ele, é manter sempre uma mensagem positiva e de alegria para quem, muitas vezes, está sem esperança.

- É difícil manter os meninos motivados. vi pessoas que queriam ser voluntárias cair em choro convulsivo quando viram as crianças mais graves. É importante sempre manter um caráter de otimismo – diz o artista, que sempre abraça os pacientes.

Para Merlânio, foi fundamental, em sua decisão de praticar um trabalho voluntário, os ensinamentos de Allan Kardec. O pai do Espiritismo ressalta a importância de se praticar a caridade incessantemente.

- Como eles, sou um viajante do Universo. Todo mundo está no mesmo barco, e temos que nos ajudar uns aos outros – disse o poeta, que deve publicar este ano na capital paraibana dois livros infantis, uma outra faceta do seu trabalho.
(Merlânio Maia é poeta e músico popular, há 7 anos trabalha com pacientes portadores de câncer no Hospital Napoleão Laureano em João Pessoa-PB)
(Capítulo do Livro: “CRONICAS DE UM GESTO VOLUNTÁRIO”, Autores Taisa Ferreira, Lúcia Leão, João Paulo Tupynambá, Edição MINISTÉRIO DA SAÚDE, Brasília, 2001, pág. 86-87)

         

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Diagnóstico precoce, principal arma contra o câncer infanto-juvenil

NOTÍCIAS (Portal do Senado Federal)
Diagnóstico precoce, principal arma contra o câncer infanto-juvenil
14/07/2010 - 16h19
COMISSÕES / Assuntos Sociais
Diagnóstico precoce, encaminhamento adequado e tratamento de qualidade foram apontados nesta quarta-feira (14) pelos participantes de audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) como as principais estratégias para se obter sucesso no tratamento do câncer infanto-juvenil.
Primeira causa de morte por doença na faixa de 5 a 19 anos, o câncer pode ser curado em até 85% dos casos, mas há 30 anos - quando a oncologia pediátrica não era sequer estudada - essa chance era de apenas 15%, conforme dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).
Rilder Paiva, presidente da Casa Durval Paiva - instituição de apoio à criança com câncer em Natal -, explicou que foi exatamente a sintonia de ações entre as diversas instituições que tornou o tratamento da doença, no segmento infanto-juvenil, um dos maiores exemplos de sucesso nas últimas décadas.
Sequelas
O foco do trabalho dessas instituições, conforme Paiva, não é somente curar a doença, mas evitar que a criança fique com sequelas. Em 1994, ao descobrir que seu filho de um ano e meio tinha câncer, Paiva buscou no exterior a cura para ele. Mas a criança perdeu a visão - o que poderia ter sido evitado com um simples exame de fundo do olho.
Para evitar problemas como o enfrentado pelo filho de Paiva, a cidade de Campinas (SP) desenvolve um trabalho pioneiro na área: ao fazer a carteira de vacinação, os bebês são submetidos a exame de fundo de olho e de massa abdominal. Projeto idêntico está sendo desenvolvido, "com resultados fantásticos", também na China, nos Estados Unidos e no Canadá.
O superintendente do Instituto Ronald McDonald, Francisco Neves, reforçou o alerta do presidente da instituição potiguar: detecção rápida da doença pode significar também cura rápida e garantida. Ele citou o caso do retinoblastoma, tumor intraocular maligno, detectável por um sinal, a mancha branca no fundo do olho, cuja chance de cura cai de 98% para 15% se não for detectado a tempo.
Capacitação
Em parceria com o Inca, o Instituto Ronald McDonald trabalha em projetos de capacitação de profissionais do programa Saúde da Família, do Ministério da Saúde. Médicos, enfermeiros e agentes comunitários de saúde são capacitados para que possam avaliar, na população, potenciais casos de câncer infanto-juvenil, encaminhando as possíveis vítimas a hospitais de referência na região.
De 375 mil casos de câncer registrado na população de um modo geral, cerca de 10 mil atingem a faixa de até 19 anos. Apesar de representar 2,67% dos casos, o tratamento e o diagnóstico do câncer infanto-juvenil, na avaliação do vice-presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope), Cláudio Galvão, devem ser elevados à condição de prioridade em saúde pública.
- Considerando a expectativa de vida da população brasileira, de 73 anos, o câncer infantojuvenil rouba muitos anos de vida de uma pessoa - justificou.
Centralização
Como apontaram os especialistas, um dos problemas no enfrentamento do câncer infanto-juvenil é que, ao contrário do modelo usado no Sistema Único de Saúde, o tratamento é centralizado e realizado por equipes multidisciplinares. O diretor-geral do Inca, Luiz Santini, explicou que não é possível fazer o tratamento de forma descentralizado, pela falta de especialistas, de equipamentos e mesmo de qualidade no tratamento.
No Brasil, como informou Santini, há 68 instituições habilitadas ao tratamento do câncer infanto-juvenil. Na região Norte, somente as cidades de Manaus e Belém sediam essas instituições. Ele reconheceu que há carência de tratamento especializado nessa região e no Nordeste.
Outro problema apontado pelo diretor do Inca é o deslocamento dos familiares que acompanham os doentes e a acomodação deles, por tempo prolongado, nos centros de referência no tratamento do câncer infanto-juvenil.
Djalba Lima / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

FIM DAS SURRAS PEDAGÓGICAS

FIM DAS SURRAS PEDAGÓGICAS
Por Urariano Mota
Publicada em 14.07.2010

Recife (PE) - O presidente Lula assinou hoje um projeto de lei revolucionário: as palmadas e surras tidas como educativas, aplicadas há séculos pelos pais aos filhos, poderão ser punidas agora com advertências, encaminhamentos a programas de proteção à família e orientação especializada. E não só os país, os amorosos e exemplares pais, coitados. Os professores e cuidadores (dos quais ninguém cuida) também ficam proibidos de beliscar, empurrar ou mesmo bater em menores de idade.

Até então, a Lei 8.069, que instituiu o Estatuto da Criança e do Adolescente, condenava os maus-tratos contra a criança e o adolescente, mas não definia se os maus-tratos seriam físicos ou morais. Com o projeto assinado, o artigo 18 passa a definir "castigo corporal" como "ação de natureza disciplinar ou punitiva com o uso da força física que resulte em dor ou lesão à criança ou adolescente".

Em um país de cotidiana prática de tortura nas delegacias policiais, cometidas sempre contra os delinqüentes de fato ou em potência, a saber, negros e pobres; em um país cuja maior escola, para todo o povo, foi e tem sido a herança da escravidão, que naturalizou a dor contra pessoas como se fossem bestas; em um país que mal saiu de uma ditadura que matou, destruiu e mutilou brasileiros sob o aleijão ideológico de que apagavam terroristas, o projeto assinado pelo presidente é um salto para a civilização.

Pelos comentários que agora correm em toda a web, sabemos bem quem se opõe ao projeto de lei: vêm sempre de indivíduos de extrema-direita ou conservadores de todo gênero. Alguns podem ser tomados como representantes do pensamento de nossa educação pela porrada. Dentre os mais legíveis, excluídos os insultos sórdidos à pessoa do presidente, colho:

“... não aceito interferência do Estado dentro da minha casa, na condução da educação dos meus filhos... Os pais ficam nessa de dialogar e as crianças tomarão conta da casa. Não respeitando mais os pais, não respeitarão nenhum adulto... Não vai ter juiz, desembargador ou presidente, que vai me dizer como educar meus filhos. ...Na minha opinião o ECA veio para estragar ainda mais a ordem em nosso pais, porque amparados por esse estatuto temos centenas de menores com 16, 17 anos praticando crimes e ficando impunes. Na minha opinião a lei mais forte é o direito dos pais de educarem seus filhos”. 

Observem que a média de nossos bárbaros ainda nem assimilou o ECA, o Estatuto da Criança e do Adolescente, que para eles é só eca, porcaria, nojo, nada mais. No entanto, creiam, o projeto de Lula segue uma tendência mundial. Ele cumpre uma recomendação do Comitê da Convenção sobre Direitos da Criança das Nações Unidas, para que os países passem a ter legislação própria referente ao tema. A Suécia nos antecipou em 1979. Depois vieram Áustria, Dinamarca, Noruega e Alemanha. Atualmente 25 países têm legislação para proibir essa prática. Na América do Sul, até então, apenas o Uruguai e a Venezuela possuíam lei semelhante. Agora, vem o Brasil. É tempo, há tempo não somos mais o fim do mundo.

O presidente Lula, do alto de sua cultura extraordinária (sinto que explicar isso exigiria um outro artigo), homem educado na vida política e sindical, traz agora para todos os brasileiros os avanços do resto do mundo. Eu, que fui criado sob o lema paterno de “bato num filho como quem bate num homem”, e que sob tão alto princípio recebi as lições educativas de surras de borracha, mangueira de jardim e socos, bem conheço o alcance do projeto assinado pelo presidente. Salve. Assuntos de desrespeito à pessoa, de brutalidade contra jovens, não são assuntos de foro íntimo, da vida privada, a se resolverem entre quatro paredes. Violência educativa não pode nem deve continuar a ser assunto restrito aos pais e doces educadores.

Com esse projeto, parece que chegou a hora de as crianças brasileiras receberem o mesmo afeto e cuidado que as mulheres e senhores classe média dispensam a seus cachorrinhos. Tão fofos, el es, os cachorrinhos. 
Sobre o autor: URANIANO MOTA é pernambucano. Escritor, jornalista, autor de Soledad no Recife, recriação ds últimos dias de Soledad Barreto, mulher do cabo Anselmo.



quinta-feira, 8 de julho de 2010

O VÍDEO DOS BONECOS DE LATA EM AÇÃO.


Ói nós aí travêiz!!!

Cia. dos Bonecos de Lata, nosso trabalho voluntário, desde 06/11/1998, com onze anos de vida e alegria lá dentro da Pediatria do Hospital Napoleão Laureano em João Pessoa/PB.

Nos Sábados à tarde, eu e Raquel, estamos alegrando aquele lugar de sofrimento, onde o câncer rouba as esperanças das crianças portadoras e das suas famílias.

Mas nós estamos lá. Com força, graça, brincadeiras e Arte, muita Arte! 

Merlânio Maia

MCDIA FELIZ NA PARAÍBA - por Merlânio Maia

MCDIA FELIZ NA PARAÍBA
Por Merlânio Maia

Amigos, já iniciamos mais um MCDIA FELIZ na nossa Paraíba!

MCDIA FELIZ é mote da Campanha anual feita pelo Instituto Ronald McDonald, que consiste em doar, toda a renda de um dia inteiro de vendas do sanduiche BIGMAC, nas Lojas MCDONALDs, livre dos impostos para uma instituição de Combate ao câncer infanto-juvenil. Aqui na nossa Paraíba a ONG DONOS DO AMANHÃ está coordenando o MCDIA FELIZ com a finalidade de construir os alojamentos humanizados da Pediatria do Hospital Napoleão Laureano.

O Evento MCDIA FELIZ deste ano, será no dia 28 de Agosto de 2010, em todas as Lojas MC DONALDs do Estado. E, como é costume em todos os anos, este também será o dia inteiro das 7:00 horas à 00:00 (meia noite) do último Sábado de Agosto.

Mais uma vez contamos com a solidariedade da Sociedade Paraibana a fim de construir toda esta infra-estrutura na Pediatria do Hospital Napoleão Laureano, para que a criança portadora de câncer possa ter o conforto necessário na sua fase de internação.

Dê sua colaboração. Solidariedade é sinônimo de amor e zelo pelas crianças paraibanas!

BONECOS DE LATA E O MCDIA FELIZ

Desde o primeiro MCDIA FELIZ que nós, os BONECOS DE LATA (veja o Blog: HTTP://bonecosdelata.blogspot.com/), grupo de artistas paraibanos, com trabalho voluntário na Pediatria do Hospital Napoleão Laureano, temos a honra de, unidos à ONG DONOS DO AMANHÃ, colaborarmos num evento tão importante para a sociedade paraibana.

Assim, como sempre integraremos a equipe de Coordenação de Arte do evento. E, como todo ano, ainda presenteamos a sociedade, nos apresentando junto com as crianças portadoras de câncer no palco principal e fazendo uma verdadeira festa, contribuindo na transformação de tristeza em alegria, desespero em esperança, dor em alívio, doença em cura.

Contamos com a colaboração de todos!

Já estamos vendendo os tickets do BIGMac, basta me solicitar nos contatos abaixo.

Merlânio Maia
(83)9922.9660 – 8725.9660 – 3042.6660
João Pessoa/PB